Comentário ao Evangelho do Dia – Terça-feira da 14ª Semana TC

9 de julho de 2019 08:00 -

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

 

Mt 9,32-38

O milagre do surdo-mudo antecipa a luta de Jesus com os seus inimigos. Os inimigos explicam os milagres de Jesus como uma estratégia do chefe dos demônios. Eles revelam assim toda a sua hostilidade contra Jesus e a sua impenitência.

 

Segundo as profecias, o Messias teria o poder de curar os cegos e de fazer os mudos falarem. E Jesus ao curar o surdo-mudo, mais exatamente ao expulsar o demônio do surdo-mudo, desperta nas pessoas uma reação que é quase uma confissão de fé. “Nunca se viu coisa igual”. Essa reação das multidões é fortemente contrastada pela reação dos fariseus.

 

Na mentalidade da época de Jesus, a mudez e a surdez são atribuídas ao demônio. O demônio é um poder hostil ao ser humano, que o limita e o escraviza. A obra de Jesus consiste em quebrar e destruir o poder de Satanás e de libertar o ser humano de sua escravidão.

 

É interessante também a reação de Jesus ante o povo. Ele se compadece, sente a necessidade daquele povo como que na própria carne. Surpreendentemente Jesus não diz “trabalhai”, mas “rezai”. É Deus que escolhe e que envia os anunciadores da palavra. Deus é o protagonista principal.

 

Esse é o último relato de milagre dessa parte do Evangelho de Mateus. Depois do sermão da montanha e depois desses relatos de cura, começa uma outra seção do Evangelho de Mateus, a seção da missão. A atividade de Jesus consiste em pregar e fazer, em palavras e obras, em discursos e milagres. Ora essa atividade continua na missão dos enviados de Jesus.

 

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Artigos / Youtube / Redes Sociais

 

Deixe um comentário

Event Information

9 de julho de 2019 08:00 -

Organizer

Location