Comentário ao Evangelho do Dia – Quinta-feira

4 de julho de 2019 08:00 -

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

 

Mt 9,1-8

O paralítico é um doente incurável. Praticamente está já morto em vida. Ele é carregado por alguns homens que o levam até Jesus.

 

É significativa a reação de Jesus: Vendo a fé que eles tinham, Jesus disse ao paralítico: Coragem, filho, os teus pecados estão perdoados!

 

É evidente que aquele paralítico necessita da cura física, mas Jesus parece só ver a fé daqueles homens e a necessidade que o paralítico tem da saúde espiritual. É significativo isso para nós: o que é mais importante a saúde física ou a espiritual? Jesus não deixa dúvidas de que o perdão dos pecados é o que mais necessitamos. Por isso os que carregam o paralítico se tornam os portadores espirituais que conduzem a fé em Cristo.

 

A intervenção de Jesus confirma o poder dele sobre o mal e o pecado. A doença física fica em segundo plano para dar lugar a saúde eterna. Jesus cura o homem da paralisia exatamente para mostrar que a saúde da alma é mais importante e necessária do que a saúde do corpo.

 

Por fim, o relato se conclui com a reação da multidão: “Vendo isso, a multidão ficou com medo e glorificou a Deus, por ter dado tal poder aos homens”.

 

O poder que Jesus tem de perdoar os pecados foi comunicado à Igreja. E, na Igreja, esse poder foi comunicado a homens escolhidos por Jesus para desempenhar essa missão de perdoar. O poder de perdoar pecados é inseparável da pessoa de Jesus e da Igreja. Por isso, quando o padre absolve os pecados ele diz: “eu te absolvo dos teus pecados”. Esse “eu” não é o do padre, mas o de Jesus. Ou melhor é o “eu” de Jesus tornado presente no “eu” do seu ministro.

 

 

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Artigos / Youtube / Redes Sociais

 

Deixe um comentário

Event Information

4 de julho de 2019 08:00 -

Organizer

Location