Comentário ao Evangelho do Dia – 24 de abril – Quarta-feira da oitava da páscoa

24 de abril de 2019 08:00 -

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

 

Lc 24,13-35

O relato dos discípulos de Emaús é precioso para nós. Precioso porque muitas vezes corresponde aos nossos sentimentos; precioso porque é construído com a estrutura da missa.

Quantas vezes, diante do mistério de Cristo, ficamos desconcertados, tristes e nos distanciamos de Jerusalém como fizeram aqueles dois discípulos. Precisamos que Jesus nos ilumine com sua presença, que ele nos aqueça o coração com sua palavra e nos abra os olhos para que possamos voltar renovados a Jerusalém, ou seja, à nossa vida cotidiana de testemunho.

Chegamos para a missa com as nossas preocupações e dificuldades. Elas são tantas! Nosso coração se encontra pesado e fechado, o semblante sombrio como os discípulos de Emaús.

Jesus nos acolhe na Liturgia da Palavra: Ele nos explica as Escrituras. Sem a sua palavra somos cegos e não compreendemos nada. No momento, porém, em que Jesus, começando por Moisés e pelos profetas, nos explica em todas as escrituras o que se refere a Ele, os nossos corações ardem e nossos olhos são iluminados.

Depois vem a Liturgia Eucarística da missa. Jesus toma o pão e o bendiz, parte-o e o distribui. “Eis que se abriram seus olhos e o reconheceram”.

Lucas não nos narra somente um fato histórico, mas um fato que se refere a todos os cristãos e os convida a reconhecer Cristo ao partir o pão, ou seja, na Eucaristia.

A Eucaristia é o meio genial através do qual Cristo perpetua nos séculos sua doação da cruz. A cruz é o ápice da doação, do serviço, do amor que foi o sentido da vida de Jesus. Na ressurreição a doação integral e radical da cruz se eterniza e, por isso, é sempre atual na eucaristia.

 

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Artigos / Youtube / Redes Sociais

 

Deixe um comentário

Event Information

24 de abril de 2019 08:00 -

Organizer

Location